Como adaptar a telemedicina a minha clínica médica

Como obter seu registro na Vigilância Sanitária em Clínicas Médicas
Como obter seu registro na Vigilância Sanitária em Clínicas Médicas
12 de março de 2021
Como adaptar a Telemedicina a minha clínica odontológica
Como adaptar a Telemedicina a minha clínica odontológica
19 de março de 2021
Como adaptar a telemedicina a minha clínica médica

Acompanhe aqui como adaptar a telemedicina a minha clínica médica, e como essa estratégia ajudou a manter esse serviço essencial funcionando em tempos de pandemia.

A telemedicina tem sido a solução para a prestação de serviços médicos nos tempos de pandemia. Com as restrições de circulação e o isolamento social, o funcionamento de diversos empreendimentos ficou comprometido. Contudo, embora os serviços médicos tenham sido mantidos por serem essenciais à população, estratégias para driblar o contato físico tiveram que ser tomadas.

Diante desse contesto, adaptar a telemedicina para as clínicas médicas foi uma das melhores estratégias, para continuar atendendo a população com serviços de saúde, e para manter funcionando estes estabelecimentos.

Então, continue lendo e confira aqui como adaptar a telemedicina a minha clínica médica. Pois reunimos neste artigo, informações importantes para te orientar nesse processo.

O que é e como funciona a telemedicina?

A telemedicina consiste na oferta de atendimentos médicos de forma remota. Por meio dela, é possível realizar consultas e integrar a opinião de especialistas que estão em diferentes locais, realizar a assistência médica com o monitoramento constante dos pacientes e atuar com estratégias de educação, facilitando maior troca de conhecimento entre especialistas, maior qualificação e informação de forma geral.

Esses atendimentos remotos funcionam por meio do uso combinado de equipamentos digitais, softwares, plataformas, internet e especialistas qualificados.

Para realizar um exame, por exemplo, um técnico (de enfermagem ou em radiologia) realiza os exames de diagnóstico em um aparelho capaz de gerar imagens digitais em conexão direta, ou indireta com um computador. A partir daí, os resultados são compartilhados com uma plataforma de telemedicina onde o especialista realizará a interpretação, e produzirá um laudo com suas conclusões. E o assinará digitalmente. O laudo ficará disponível no sistema para acesso pelo paciente ou funcionários da clínica.

No caso das teleconsultas, médico e paciente entram em uma sala virtual, e a consulta é feita por videoconferência. Então, preenche-se um prontuário digital, e o médico poderá solicitar exames ou fazer prescrições utilizando assinatura digital.

Enfim, utilizar a telemedicina significa melhorar processos utilizados na área de saúde, reduzindo o tempo de operacionalização, custos e riscos, possibilitar a troca entre profissionais de diferentes especialidades. Bem como a proposição de diagnósticos e tratamentos mais assertivos e de qualidade.

 

Desde quando existe telemedicina?

Apesar de estar sendo mais utilizada desde que a pandemia começou, já existe regulamentação para a telemedicina no Brasil desde 2002. Além disso, também é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma prática importante na área médica, principalmente nas situações em que a distância pode prejudicar o acesso à saúde.

O primeiro registro do uso de telemedicina de forma relevante ocorreu em 1967, quando um hospital localizado em Massachusetts, Estados Unidos, criou uma linha de comunicação, para dar suporte aos médicos que estavam atendendo os pacientes de emergência nos aeroportos. No Brasil, desde a década de 1990, já se usa videoconferência para realizar intervenções médicas.

Com a disseminação do acesso à tecnologia, principalmente a internet, a telemedicina está cada vez mais próxima da realidade da população como um todo. Aliás, foi isso permitiu que diversas clínicas médicas continuassem seu funcionamento durante a pandemia.

Os computadores, smartphones e a inteligência artificial estão impulsionando a telemedicina. Dessa forma, com o passar do tempo, ficará cada vez mais fácil integrar informações sobre os pacientes, e definir diagnósticos cada vez mais precisos com o cruzamento destes dados.

Dicas para implementar a telemedicina na prática

Agora que você conhece o que é a telemedicina, como ela funciona e quando surgiu, veja algumas dicas de como implementar a telemedicina na prática na sua clínica médica.

Quais são os exames que permitem emissão de laudos via telemedicina?

Ao implementar a telemedicina na sua clínica médica, você deve saber quais exames permitem a emissão de laudos por esta via. Aliás, as principais especialidades médicas já podem lançar mão desse recurso.

Dentre os exames que você pode oferecer na sua clínica utilizando a telemedicina estão:

  • Raio X;
  • Eletrocardiograma (ECG);
  • Eletroencefalograma (EEG);
  • Mamografia;
  • Espirometria;
  • Ressonância Magnética;
  • Acuidade Visual,
  • Tomografia.

Então, se a sua clínica já realiza este tipo de exame, você já pode começar a implementar a telemedicina. Caso não ofereça nenhum dos exames descritos e tenha interesse, já considere começar a oferta com equipamentos e estrutura preparados para atuar com telemedicina. Afinal de contas, ela já é uma tendência, como vimos anteriormente.

A importância dos equipamentos e da infraestrutura

Além de oferecer os tipos de exames que já podem ser executados por meio de telemedicina, você também precisa adequar sua estrutura para que isso aconteça. Neste caso, os equipamentos médicos e computadores que realizam os exames devem estar integrados ao novo sistema.

Se for adquirir equipamentos novos, opte por aqueles que já possuem um sistema digital com conexão com a internet, pois será mais fácil conectá-los com a plataforma online de laudos.

Entretanto, se seus equipamentos forem analógicos, não se preocupe! Afinal, é possível realizar adaptações para que eles se integrem ao seu novo sistema de telemedicina, utilizando um software específico que utiliza recursos de internet.

Com a nova infraestrutura instalada, é importante se atentar para a segurança dos dados dos pacientes, considerando a legislação vigente. Aliás, não se esqueça disso! A segurança é fundamental.

Treinamento da equipe

Além de adequar seus equipamentos e sua infraestrutura, é imprescindível capacitar a equipe da sua clínica, para trabalhar com essa nova modalidade de atendimentos. Seus colaboradores precisam estar preparados para operar o sistema de telemedicina, bem como também devem conhecer todos os protocolos dos exames e funcionamento dos equipamentos. Só assim os dados serão gerados com qualidade e, respectivamente, os laudos serão mais assertivos e confiáveis.

Uma boa dica é contratar uma empresa para realizar treinamentos recorrentes, testes remotos nos equipamentos. Assim como tutoriais de passo a passo dos exames em tempo real.

Padronização de laudos

Enfim, depois de implementar a telemedicina na sua clínica médica, você ofertará um serviço mais completo, ágil e preciso aos pacientes. Assim como também estará driblando as dificuldades impostas pela pandemia.

Mas não se esqueça de deixar sua marca nos documentos gerados pelo sistema. Embora as plataformas de telemedicina gerem os laudos com um padrão de acordo com a legislação de saúde brasileira, você pode e deve inserir sua identidade visual, e outras informações que achar importante, para dar um toque personalizado e fidelizar sua marca com seus pacientes.

Então, agora que você já sabe bastante sobre telemedicina, é só começar a implementá-la em sua clínica e desfrutar de todas as vantagens que ela oferece!

Procurando por serviços contábeis especializados em clínicas médicas? Conte com a AJMED, sua contabilidade especializada em clínicas médicas!

 

 

Os comentários estão encerrados.

ASSINE